29 abr, 2018

O estoicismo nos dias de hoje

29 abr, 2018
Semper Viri, irmãos.
Quem visa estudar sobre o estoicismo sempre acaba entrando em fóruns e grupos de estudos, seja nacionais ou não, acaba vendo 2 coisas que bem longe de serem visões sobre o estoicismo real:

1 .Progressistas que não entendem absolutamente nada sobre e acham que estoicismo é uma espécie de pacifismo de viver na natureza hippie.

2. Os mesmos Progressistas que tentam conciliar ideias modernas com uma mentalidade da escola estoica, onde falham miseravelmente. Seja induzir a uma mentalidade democrática, liberal e por aí vai.

O que seria um “povo”? Seria um coletivo de indivíduos. E como um indivíduo é “liderado” pelas suas emoções? E quem afirma isso? E como você sabe que isso é verdade?

Palavras como “pessoas”, “liderado” e “emoções” e, especificamente, os pressupostos envolvidos na frase “as pessoas são naturalmente lideradas por suas emoções” é de forma bastante descarada, ser todas as coisas aristocráticas, de todas as coisas antidemocráticas. E isso não pode ser ignorado. Porque acabou ocorrendo uma transformação em cima do estoicismo que o trata como uma mercadoria comercial; “Seja estoico em 5 simples passos.” “22 dicas para ser estoico no dia-a-dia” “como utilizar o estoicismo no mercado de trabalho.” Essa filosofia definhou e se transformou em leitura breve de uma fim de tarde. Veja as coisas expostas pelo o que são; Remova os óculos de tons de rosa dos olhos que as pessoas enxergam sobre o que é Estoicismo.

O estoicismo não existia além dos sistemas sócio-políticos em que operava na época e, no entanto, as pessoas parecem ignorar completamente hoje em dia. O estoicismo era filosofia para as classes dominantes, para classes aristocráticas, sendo possível sua adesão por classes plebeias, mas com intuitos diferente porque quando os estoicos falaram do “Motivo para reinar”, eles estão diretamente falando de reis e governantes que governavam as pessoas com um punho de ferro, ou seja, não-ironicamente falando, algo muito próximo do que seria um fascista.

O estoicismo é estreitamente relacionado com o pitagorismo, o platonismo, o cinismo e seus seguidores adotaram valores aristocráticos como os que se encontram em Esparta(Lycurgus), e Persia (Cyrus), etc. Essas escolas de pensamento, cultos e práticas são os antecedentes do estoicismo. Os estóicos consideravam as pessoas como uma multidão e se viram, poucos, como reis-filósofos, governantes, seguidores que orientavam essa multidão rebelde que era incapaz de se controlar, hedonístas e etc. Esses reis-filósofos representavam a lei, a ordem, escolha e razão contra a ilegalidade, a desordem e tudo o que era imoral, hedonístico, fútil. Isso certamente atesta alguma coisa: os estoicos se opunham à democracia, aos demos, às pessoas. Acho que é bem óbvio quando é exposto dessa forma. As emoções são abominadas pelos estoicos, qualquer exibição de emoção é considerada fraqueza. A multidão é equivalente às emoções; O motivo é equivalente ao filósofo-rei. A filosofia estóica é toda sobre a razão superando, controlando, governando os elementos apaixonados; O equivalente político deste ensino moral pode ser encontrado num líder fascista/aristocrata que governa o povo com furor. Pelo menos, ele é considerado um pastor e seu povo como seu rebanho. Um dos temas repetidos do estoicismo não é que o prazer em si é ruim, mas que o julgamento de que o prazer é bom é um sinal de ignorância e uma fonte de paixão, portanto, o julgamento é ruim. A visão adequada, de acordo com os estóicos, é esse prazer, na medida em que é distinto da paixão, digamos, de prazer, é indiferente.

Ou talvez haja coisas que eu estou dizendo que aqueles que estão construindo seus castelos estoicos na areia não aceitarão. Eu não dou a mínima.

Mas isso é o que as pessoas realmente fazem (“submeter controle”, etc.) e aqueles que se chamam estóicos não são diferentes, exceto que eles pensam que são, e eles acham que são de alguma forma melhores do que os não estoicos a este respeito. Mas olhe o que Epicteto está dizendo, e tenha em mente que ele está ensinando a próxima geração de mestres romanos, não as pessoas comuns,. . ele está dizendo aos jovens mestres que eles estão no comando, que eles são os que farão as escolhas que importam, e que se eles evitem suas responsabilidades nisso para a multidão impulsiva e irracional, eles sofrerão como consequência.

O fato de Epicteto ser escravo não revela absolutamente nada sobre os estoicos e o estoicismo a não ser justamente dar credibilidade ao que afirmo. Sobre como ele desprezou o pobre corpo humano antigo ou, por outras palavras, a democracia e o povo. Como ele preferia a regra do tirano (razão dominante) sobre as emoções (a multidão). Não havia direitos humanos no antigo mundo greco-romano. Não havia conceito de igualdade. Homero e Platão e Aristóteles estabeleceram basicamente a lei no sentido de que havia duas raças de homens: alguns mestres que governavam inúmeros homens. Esse paradigma, esse status quo, nunca foi questionado. Epicteto era um escravo, sim, e assim era Diogenes por um tempo, então Spartacus, então Horácio, então Aspásia, então, o que? Confundem os conceitos modernos da escravidão com os antigos. Na verdade, seria estranho se não houvesse um escravo ou dois nas fileiras dos estoicos / filósofos. Mas observe que Epicteto nunca toca na história, nem na lei, nem na política. Fazer isso teria sido invadir as províncias dos mestres. Como servo, ele não tinha os recursos dos mestres. Ele era livre para se envolver com assuntos como filosofia e retórica que não requerem recursos além de livros e frequentando uma escola.

«